JoJonium ★ Entrevistas Especiais

From JoJo's Bizarre Encyclopedia - JoJo Wiki
Jump to navigation Jump to search

Em cada volume do JoJonium, há uma seção na traseira do livro contendo uma entrevista com Hirohiko Araki discutindo o personagem destacado na capa. Essas entrevistas agem como pequenas biografias sublinhando o processo da criação de ditos personagens e os pensamentos de Araki durante a época.

As páginas também incluem uma foto do personagem, seu perfil, e uma pergunta Q&A a respeito das escolhas de design do personagem na ilustração da capa.

Volume 1 (Jonathan Joestar)

O título da obra é JoJo's Bizarre Adventure, mas em primeiro lugar, eu na verdade queria desenhar o Dio. Bem e mal, branco e preto—Jonathan e Dio funcionam como símbolos e são os opostos um do outro. A obra tinha o potencial de continuar, então na minha cabeça, eu quis criar um "primeiro Joestar" que poderia funcionar como um símbolo de pureza e dignidade em vez de um personagem novo e único—é por isso que foi difícil criá-lo.

Tem limites a como eu poderia escrever o personagem porque ele era um "símbolo da justiça," então ele pode estar mais no lado entediante. Eu solidifiquei seu personagem enquanto eu ia. Jonathan é passivo, reagindo aos vários ataques de Dio, e isso o leva a descobrir seu jeito de viver. Talvez isso seja ligado a mim como um autor, crescendo junto do meu personagem enquanto eu o desenhava. Assim como Jonathan não tinha certeza de como viver sua vida, eu não estava certo sobre o rumo do personagem. Talvez eu cresci um pouco como autor com o Jonathan enquanto ele passava por suas tribulações.

Na Parte 1, durante os sete anos após a morte do Danny, Jonathan ficou bem musculoso. Essa mudança foi feita com a batalha iminente entre ele e Dio em mente. Eu achei que seu físico precisava ser capaz de aguentar os ataques constantes apartir desse ponto. Além disso, quando essa parte estava originalmente sendo serializada, era a era dos "músculos" nas telas de cinema—caras como Schwarzenegger e Stallone. Schwarzenegger, por exemplo, nunca podia ser parado por uma quantidade de tiros, certo? Eu queria que Jonathan tivesse uma aparência parecida com a dele—a aparência de ser imparável. A Weekly Shonen Jump também tem um histórico e tradição de protagonistas evoluindo e crescendo.

Eu também queria que Jonathan exalasse uma aura de força como em Karate Baka Ichidai após treinar artes marciais sozinho nas montanhas. Quando criança, eu amava mangás sobre karatê—você todos os tipos de forças sobrenaturais, como socar postes de eletricidade e fazer os passáros nos fios caírem ou alguém tentando esfaquear outra pessoa com uma faca, apenas para a faca acabar dobrando. Na verdade, artes marciais tem um certo aspecto místico, como socos empoderadores com técnicas de respiração. Eu queria incluir coisas sobrenaturais como essas em JoJo, e eu acredito que o Hamon foi inspirado pelo meu amor por mangás de karatê.

Q. Dio e Danny fizeram as pazes?

A. Só para a capa. É difícil desenhar os personagens da Parte 1 depois de todo esse tempo, mas é como se encontrar com velhos amigos.
—Hirohiko Araki


Volume 2 (Will Anthonio Zeppeli)

*Mesmo quando ele assina suas artes, Zeppeli é o único personagem que o sensei Araki se refere como "Sr." (San em japonês)

O Sr. Zeppeli* foi nomeado em referência a banda de rock "Led Zeppelin." Eles são músicos de alto-nível para mim, então eu senti que tinha que referenciar seu nome com esse personagem, embora fosse realmente uma pena eu tê-lo usado tão cedo—como jogar o Coringa logo no começo de um jogo de cartas. Logo, eu tive que me acostumar com isso quando eu estreiei o Sr. Zeppeli. Também é importante como o nome soa/ tem vários nomes com "J" na obra como JoJo, Jonathan e Joestar que são parecidos, então eu quis equilibrar os nomes com um "Z" como Zeppeli. Eu me certifiquei de fazer o mesmo com o Speedwagon.

O Sr. Zeppeli ensina o Hamon para Jonathan e o leva em sua jornada para destruir a máscara de pedra. Eu gosto de professores que são bobos e te fazem se perguntar e se eles estão ou não faltando um parafuso na cabeça. Como nos filmes do Jackie Chan, o mestre é sempre um bêbado—então o quão forte ele pode ser? A mesma coisa em Karatê Kid. Sua aparência exterior pode ser meio estranha, mas é o que está por baixo que merece respeito. Esses personagens tem um charme por causa da diferença entre seu exterior e interior, e porque você não pode julgá-los por sua capa. O Sr. Zeppeli pode parecer fraco em um primeiro olhar, mas ele é forte na verdade, mesmo que o tenha o vestido como um mágico e o dei o bigode de um vendedor de óleo de cobra. Seu bigode foi inspirado por aqueles usados pelo pintor Salvador Dali e o Iyami de Osomatsu-kun'.

No entanto, o bigode requer muita coragem para ser usado em uma revista shonen. Principalmente porque faz o personagem parecer mais velho e indigno de confiança, independente do tipo de bigode. Para o Sr. Zeppeli—enquanto ele serve como mestre do JoJo, não é como se ele fosse um senhor muito mais velho que o JoJo. Ele também é personagem de apoio principal. Eu talvez tenha desapontado os leitores com ele, então foi necessário coragem. Ele é o tipo de personagem que eu não usei de verdade nas minhas outras obras, masa é um que eu queria usar para os motivos que eu mencionei acima. Pensando sobre isso agora, talvez tenha sido uma "aposta" ou "aventura" da minha parte. Naquela época eu provavelmente pensei, "Eh, é JoJo, vai dar certo." É uma Bizarra Aventura, afinal de contas.

Por final, ao meu crédito, JoJo's Bizarre Adventure (JoJo no Kimyou na Bouken) saiu antes da série de drama japonesa Bizarre Stories in This World (Yonimo Kimyou na Monogatari). Entendam.

Q. Poderia a esfera em seu cano ser…?

A. É uma bola de aço de Steel Ball Run. Zeppeli é conhecido por sua cartola. É um formato legal e se você curvar o design de diamante, ele parece tridimensional
—Hirohiko Araki


Volume 3 (Dio Brando)

Eu mencionei isso antes quando eu estava falando sobre o Jonathan, mas o Dio era quem eu realmente queria desenhar na Parte 1. O quão longe pode a ambição de um homem levá-lo quando ele a leva ao extremo supremo? Era isso que eu queria retratar. Eu queria que seu nome soasse maneiro quando junto dos JoJos, então eu acabei ficando com Dio, que significa "deus" em italiano. Eu sempre ouvi teorias dizendo que ele conseguiu seu nome do Dio Scooter, mas isso não é verdade! Eu só vou deixar isso claro, assim como a coisa a respeito do Kimyou na Bouken do volume anterior.

Em relação a como ele contrasta com Jonathan, eu quis abordar como você representa o vilão supremo como retratado cotnra o símbolo da justiça. Como exatamente ele chegaria à esse papel de "vilão"? As pessoas sempre amam comparar quem é mais forte ou quem é mais legal. Você tem o Godzilla versus o Mechagodzilla, Schwarzenegger vs. Stallone… Eu quis que tivesse esse tipo de contraste ou luta entre Dio e Jonathan.

Adicionalmente, o perfilamento psicológico do FBI era um tópico em tendência na época em que eu o escrevi. Porque os assassinos-em-série fazem o que eles fazem, cientificamente falando? Eu fui inspirado por isso quando eu estava trabalhando no Dio. Caras assim são verdadeiros otários, podres no coração. E mesmo assim, eu sempre meio que pensei que eles são na verdade incrivelmente fortes para poderem conseguir cometer tais crimes. Por que eles vão tão longe? Será que eles só fazem isso para ver se podem? O aspecto do "controle" disso me interessa também. Tinha um caso famoso nos Estados Unidos onde um homem prendeu várias mulheres em uma sala e as levou para fora, uma de cada vez, para outra sala para matá-las. Todas essas mulheres estavam esperando, juntas, por sua vez de serem mortas. Eu não consigo imaginar como estava seu estado mental naquele ponto… Pensando racionalmente, você se pergunta porque elas não tentaram fugir, ou porque elas não tentaram se juntar e atacar o assassino? Deve haver alguma maneira de resistir. Entretanto, se você observar o processo no qual as pessoas controlam as outras, você começa a ver como isso é efetivo. Há muitas maneiras, incluindo causar o medo, mas eu sempre achei o ato de controlar os outros estranhamente fascinante.

É por isso que Dio não foi simplesmente um vilão forte, mas sim um personagem que controla os outros e tem admiradores que o servem. Como um antagonista, isso traz suspense ao leitor, enquanto eles se perguntam como ele poderá ser derrotado. Durante a serialização, eu realmente não tinha uma fraqueza preparada para o Dio. É o melhor tipo de suspense quando você está no limite. Como eles conseguirão vencê-lo se o Hamon não funciona? Mais forte o inimigo, o melhor. Mas, foi difícil inventar um jeito dele ser derrotado.

Q. Por que o Dio está pelado?

A. Ele quis mostrar seu lindo corpo. Se eu tentar, eu posso desenhar esses personagens como eles eram, mas eles são coisas vivas que respiram. Eles acabam parecendo pessoas completamente diferentes quando desenhados em um estilo moderno.
—Hirohiko Araki


Volume 4 (Joseph Joestar)

Joseph Joestar foi quem pegou a torcha do JoJo original, Jonathan Joestar, para se tornar o protagonista da segunda geração. Olhando para trás, parece que muitos fãs acham os dois idênticos. A coisa é que, quando isso estava sendo originalmente serializado, era sem precentes fazer um protagonista morrer em uma história da Weekly Shonen Jump. "O mangá tem o mesmo título, mas agora tem um protagonista diferente"—foi difícil de pensar em uma maneira de ultrapassar a percepção do leitor de que ele havia se tornado um mangá completamente diferente! É por isso que eu decidi manter a aparência de Joseph a mesma que a de Jonathan mas trocando sua personalidade. Porém, agora que a obra foi até a Parte 8, eu queria ter diferenciado as aparências dos protagonistas das Partes 1 e 2 um pouco mais (risos).

Como mencionado enquanto discutindo sobre o Jonathan, Dio é o preto do branco de Jonathane—bastante passivo e talvez um pouco desinteressante como protagonista. Joseph, pelo outro lado, é mais fácil de ver como sendo proativo, e eu senti que isso funcionou. Enquanto eu escrevia o conto de Joseph, foi mais como se ele estivesse sob o controle de como a história progredia, então eu acho que ele acabou sendo mais um "aventureiro", se é que você me entende. Em comparação ao cavalheiro Jonatham, Joseph está constantemente buscando vencer em confrontos ou jogos e fará coisas loucas sem hesitação. Em termos mais simples, ele tem a personalidade de um trapaceiro. Isso não foi feito só para criar um contraste entre ele e Jonathan, mas também porque eu queria que o foco mudasse das batalhas físicas da Parte 1 para confrontos mais intelectuais.

Antigamente, como extensão da minha outra obra, Cool Shock B.T., eu queria fazer de Joseph um personagem de mangá shonen que dobra as regras enquanto ele luta. Essencialmente, fazer ele usar as estratégias de um trapaceador para vencer usando perspicácia e lógica. Eu não queria que ele fosse o tipo de personagem que vence com bravura e preserverança, então foi mais fácil de aprofundar sua personalidade com frases como "Sua próxima frase será…" onde ele acaba lendo as ações do oponente à frente do tempo. Para simplificar, Joseph é tipo um B.T. musculoso. Eu coloquei um pouco do Stallone no B.T. e adicionei uma alegria para uma boa medida para torná-lo um indivíduo mais alegre.

Joseph é o personagem que conecta a linhagem Joestar às Partes 3 e 4. Eu fiz Jonathan morrer na história da Parte 1, mas eu nem considerei matar o Joseph. Se eu soubesse que JoJo iria até a Parte 8, eu acho que teria mudado seu design visual um pouco.

Q. Por que o Joseph tem um chapéu e óculos?

A. Para ajudar a diferenciá-lo do Jonathan. A Parte 2 se passa quando os aviões estavam se tornando prevalentes pela primeira vez. É por isso que eu o dei um chapéu de piloto com óculos--uma aparência meio steampunk ou de motociclista.
—Hirohiko Araki


Volume 5 (Lisa Lisa)

Lisa Lisa a mestra do Hamon. Para o segundo JoJo, eu fiz uma personagem feminina assumir o papel de mestre do Hamon. A ideia originalmente veio de mim pensando sobre como seria para uma mulher seguir o mestre original do Hamon, o Sr. Zeppeli da Parte 1. Na verdade não tinha-se muitas personagens femininas em JoJo à esse ponto, mas ela funciona bem junto de Joseph e Caesar, não funciona? Tem vezes em que eu simplesmente penso, "não…um cara ou um homem mais velho não funcionaria aqui" e escolho personagens baseado no equilíbrio do grupo. O primeiro obstáculo com o personagem da Lisa Lisa foi seu nome. Naquela época, se você escolhesse um nome não-japonês para o seu personagem, era um desafio fazer a audiência se lembrar dele. Foi por isso que eu escolhi Lisa Lisa--Eu esperava que como com JoJo, um nome repetitivo funcionaria. Ele também foneticamente lembra o japonês a certo ponto.

Quando esta parte estava sendo originalmente serializada, as garotas que apareciam nos mangás Shonen eram todas fofas--essencialmente o esteriótipo da "garota ideal de um homem." Leitores não estavam procurando por uma representação realística de uma mulher, mas em vez disso, o tipo de garota que ri durante uma conversa com sinais de coração aparecendo ao lado dela. É por isso que eu acho que uma personagem guerreira como a Lisa Lisa parecia novo. O Sr. Zeppeli na Parte 1 era um perosnagem muito gentil, e para contrastar com isso, eu a fiz o que você chamaria de uma personagem "sadista" nos dias de hoje. Tinha uma garota na minha vizinhança que me aconselhava perto do final do ensino fundamental. Ela era incrivelmente esperta e isso era muito intimidante para mim! Não que ela fosse uma sadista ou algo assim (risos). Eu acho que fiquei inspirado por aquele momento, aquele "nervosismo" emocionante que eu senti perto da minha tutora. É normal ver mulheres fortes nos dias de hoje, mas antigamente, era algo desconhecido em mangás shonen, e na sociedade em geral também. Era animante desafiar as expectativas das pessoas através da Weekly Shonen Jump ao fazer uma mulher treinar o protagonista para que ele ficasse mais forte.

Além de funcionar como a mestra de alguém, as pessoas não estavam acostumadas a verem mulheres lutar. Quando mostrando a força de um personagem por exemplo, caso seja um idoso, poderia haver um passado onde ele passou sua juventude fazendo treinos rígidos logo ele foi capaz de aprender as técnicas e se tornar um mestre. Isso explicaria como ele consegue apanhar uma mosca usando pauzinhos…mas para uma mulher, precisa haver algo mais substancial para sustentá-la. Em uma partida, senso comum dita que os fisicamente fortes ganhariam, mas eu percebi que se você adicionar habilidades sobrenaturais na fórmula, uma mulher pode vencer de igual com um oponente masculino forte. Em outras palavras, se a batalha é entre aqueles com poderes sobrenaturais, aparência física não tem nada haver com força. O Hamon é a habilidade sobrenatural de Lisa Lisa. A ideia de "aparência sendo irrelevante em habilidades sobrenaturais" é o que me levou à introdução dos Stands na Parte 3.

Q. O que inspirou a aparência dos Homens do Pilar?

A. Esculturas romanas, a esfinge, estátuas japonesas de mio, etc. Ao baseá-los nesses tipos de esculturas que você veria em templos ou santuários, isso os deu uma aura mítica enquanto também parecendo familiar. Uma juxtaposição bem bizarra, se me permite dizer.
—Hirohiko Araki


Volume 6 (Caesar Anthonio Zeppeli)

Na Parte 1, eu não pude desenhar o aspecto da amizade em um relacionamento entre rivais. Jonathan e Dio não tiveram esse tipo de relacionamento. É por isso que eu fiz Caesar, que herdou a linhagem Zeppeli, aparecer junto de um Joestar. A Weekly Shonen Jump é uma revista shonen no final de contas, então eu quis incluir algo que retratava a amizade de uma maneira positiva. A marca registrada do Caesar é, claro, sua bandana com triângulos nela. Mesmo agora, eu ainda fortemente associo esse design com o Caesar--não necessariamente porque o Caesar a usou, mas porque eu gostei do jeito que as cores contrastavam na bandana.

Isso é meio fora do assunto, mas eu gosto de brincar com a "bizarrice" até quando eu desenho em cores, então eu presto bastante atenção em como eu combino as cores umas com as outras. Por exemplo--ciano e rosa, azul e branco. Essas combinações são minhas armas secretas--elas dão um grande impacto mesmo quando olhando olhando de longe. Eu tenho certeza que você acha que as páginas coloridas usam todos os tipos de cores diferentes, ams tem vezes em que eu só uso duas cores e algumas mais fracas. É bem útil para mim usar marcas como esta onde eu posso combinar cores alternantes.

Ambos Caesar e Joseph são usuários do Hamon que herdaram as linhagens de seus avós. Quando eu decidi desenhar esses persoangens, eu já queria associar sua habilidade sobrenatural do Hamon com seus sobrenomes. Em outras palavras, eu queria que cada usuário tivesse um Hamon diferente, cada um co mseu design único. É por isso que eu dei ao Joseph o estilo "malandro" de Hamon que ele tem, e o Caesar tem bolhas. Bolhas estouram fácil, então muitos de vocês pensam delas como sendo fugazes. Eu havia não apenas lido muitos mangás shonen, como também livros, e eu nunca fui um grande fã do protagonista conseguindo algum tipo de arma suprema e invencível. Ele pode estar mais forte do que antes, mas você sente como se fosse essencial à esse ponto. Eu gosto de equipar os personagens com armas com defeitos e fazê-los cobri-los através da estratégia, e eu sinto que é mais divertido escrever algo onde você tem que lidar com os meritos e deméritos que cada uma delas tem. Eu sinto que as bolhas do Caesar foram uma representação perfeita de seu destino e o fardo que ele carregava. Eu consegui lidar com os aspectos visuais delas também ao fazê-lo transformar as bolhas redondas em discos para o seu Cutter, ou usá-las como lentes. Tem possibilidades infinitas que vem de um formato esférico como uma bolha. Eu considero isso um aspecto muito importante de JoJo. Tanto o Gyro na Parte 7: Steel Ball Run, quanto o Josuke na Parte 8: JoJolion herdam essas esferas, e minha posição sobre elas não mudou desde que eu originalmente desenhei Caesar.

Q. Qual é o motivo por trás da pose de Caesar?

A. Eu queria comunicar uma crucificação--em outras palavras, seu futuro. Tipo um senso de preparo para o que está por vir. EU sinto que ela representa o destino dos Zeppelis--forjar o caminho para os Joestars.
—Hirohiko Araki


Volume 7 (Kars)

A primeira coisa que eu queria considerar quando escrevendo os personagens de Kars e os Homens do Pilar era como eles ultrapassariam a Dio. Estamos falando sobre os seres supremos, então você tem que considerar o fato de que aqueles que põe a máscara de pedra tornam-se vampiros, logo ultrapassam a humanidade. Então, eu tive de levar as coisas ao nível dos deuses. É por isso que eu baseei as suas quatro aparências (incluindo Santana) em estátuas romanas, esfinges egípcias e estátuas japonesas de nio--para dá-los uma beleza física estranha como figuras divinas em forma orgânica. A razão por trás da habilidade Kars, a Brilhante Lamina de Osso, ser do Modo da Luz era porque eu pensei que uma lamina reluzente seria apropriada para uma técnica divina. Ao mesmo tempo, eu quis visualmente expressar aos leitores que derrotar Kars seria impossível.

Eu acho que o Modo da Luz: Lamina Brilhante de Osso lembrou vários dos leitores do Reskiniharden Saber Phenomenon da minha obra anterior, Baoh o Visitante. Enquanto não estamos falando de desenvolvimentos científicos, houveram vários aspectos da jornada de Kars de se tornar o ápice da evolução biológica que se assemelhava um pouco com Baoh. Visualmente falando também, como um mangaká, eu realmente gostei de desenhar uma técnica onde a carne e a lamina se fundem assim. Na minha opinão, encarar esses dois materiais completamente diferentes--carne e lamina--é algo que você só pode fazer em mangás. Por exemplo, o filme O Exterminador do Futuro 2 tinha um inimigo que podia transformar seu braço como uma liga de memória em uma lança de metal, mas eu acho que não era isso que eu estava imaginando para isso. A lamina que eu queria desenhar era algo mais orgânico, mais como carne. Eu acho que eu fui capaz de comunicar o que eu queria por causa desse meio, um mangá preto-e-branco! Eu posso livremente coisas que não poderiam nem ser feitas com efeitos especiais de Hollywood. Além da técnica do Kars, tem várias coisas que eu sinto que sou ajudado pelo mangá como um meio. Tanto antes quanto agora, eu nunca me esqueço o quão agradecido eu sou pelos mangás.

Finalmente, provavelmente tem alguns de vocês que acham que o Kars poderá voltar à Terra em algum ponto, mas como um criador, eu na verdade desenhei isso com a intenção dele nunca voltar novamente (risos). A frase sobre ele "decidir parar de pensar" foi algo que me veio naturalmente quando eu estava pensando sobre o que você faria se estivesse viajando pelo espaço e ficasse incapaz de voltar. O fato que dele não pode realizar seu desejo de voltar--não importa o quanto ele queira enquanto o tempo continua a fluir--talvez seja uma das piores punições possíveis para Kars o Ser Supremo. É por isso que, a menos que eu invente um motivo lógico para ele voltar, como ele talvez desevolvendo uma habilidade que age como uma bussóla, ou caíndo em outra civilização, aquela cena será sua última.

Q. Por que só o Kars recebeu um turbante?

A. É para mostrar seu poder e inteligência superior como o rei deles, também tendo joias. Se você comparar os Homens do Pilar aos Mito Komon, Kars seria o Komon-sama, enquanto Esidisi e Wamuu seriam Suke-san e Kaku-san, respectivamente (risos). É disso que veio meus desenhos para suas poses na Parte 2, Vols. 2 e 3. Eu o fiz nu da cintura para cima para contrastar com esse ar de inteligência.
—Hirohiko Araki


Volume 8 (Jotaro Kujo)

A ideia de fazer o protagonista da Parte 3 ser japonês era algo que eu estava pensando em fazer por volta do final da Parte 1. Eu havia orginalmente planejado fazer JoJo ser uma trilogia, e eu pensei que seria apropriado ter o final, um confronto fatídico se passar no Japão dos dias atuais, mas eu não queria que fosse algo no estilo de torneios, como o que era popular na Weekly Shonen Jump da época. Foi quando eu tive a ideia de fazer os personagens irem à um destino específico, como um filme de estrada, tirando inspiração do A Volta ao Mundo em 80 Dias de Jules Verne. Anos depois, um certo comediante da TV viajou pela Eurásia por uma rota parecida. Assim como com JoJo's Bizarre Adventure (Jojo no Kimyou na Bouken) saíndo antes da Histórias Bizarras nesse Mundo (Yonimo Kimyou na Monogatari), Eu direi só para ficar registrado, JoJo fez isso primeiro (risos).

Clint Eastwood, quem eu amo e respeito como um ator, serviu de modelo para Jotaro. A famosa pose do Jotaro onde ele aponta seu dedo foi na verdade inspirada pelo Eastwood apontando sua .44 Magnum. Até mesmos detalhes como o bordão de Jotaro ser "mas que saco" são inspiradas de papéis que Eastwood interpretou, onde ele tinha frases como "Um assalto à banco? Você só pode estar de brincadeira…" É por isso que Jotaro parece um pouco mais "grosso" comparado a outros protagonistas da Jump. Joseph talvez seja mais fácil de se gostar numa perspectiva da Weekly Shonen Jump, mas Jotaro combina com a minha imagem de um herói perfeitamente.

Minha imagem de um herói é uma pessoa solitária. Oposto a alguém que faz a coisa certa procurando por compensação ou atenção dos outros, minha ideia de um herói é alguém que é um símbolo da justiça não-reconhecido. Tem vezes onde tomar o caminho certo leva à solidão. Eu também acho que heróis não deveriam estar no negócio de fazer amigos. Jotaro vai em sua jornada enquanto mantendo seus sentimentos guardados dentro de si porque ele é um "herói solitário." Ele não celebra de um jeito exagerado quando ele derrota um inimigo. Para ele, um "mas que saco" é mais do que o suficiente.

Jotaro se tornou grande o suficiente para funcionar como um sinônimo de JoJo como um todo. Eu na verdade baseei os JoJos subsequentes em seu design visual e os diferenciei por lá. Minha visão original de Jotaro era tê-lo viajando pelo deserto enquanto usando seu uniforme escolar, e com isso, coisas fantásticas e bizarras aconteceriam durante sua vida cotidiana. Além disso, não é o seu uniforme do dia-a-dia. Ele tem uma corrente no colarinho, dois cintos… Eu brinquei com o design dele bastante até eu conseguir algo que comunicava a quantidade certa de rebeldia. Falando de rebeldes adolescentes, você sabe como caras costumavam ter correntes nas calças, conectadas às suas carteiras? Eu desenhei Jotaro com sua corrente em seu uniforme primeiro (risos)! Vamos registrar isso também.

Q. Qual é o significado da pose do Star Platinum?

A. Ela representa o ponto de início da Parte 3-- a obra de Mitsuteru Yokoyama. O conceito de usar seu uniforme escolar no deserto tem suas raízes no Babel II do sensei Yokoyama. Se eu fosse desenhar a Parte 3 de novo, eu teria usado o Tetsujin 28-go do sensei Yokoyama como inspiração para os Stands, representando uma volta aos básicos.
—Hirohiko Araki


Volume 9 (Joseph Joestar)

Não foi limitado ao Joseph, mas eu tive bastante comentários dos leitores sobre eles quererem que personagens velhos reaparecessem na obra. Pessoalmente, eu não sou particularmente um fã de trazer personagens de volta só por causa de nostalgia. Tem que ter um motivo verdadeiro para que eles reapareçam. Até onde o Joseph se preocupa, desde que ele esteja vivo e capaz, ele iria atrás de um oponente destinado para salvar sua filha. Havia um motivo claro para trazê-lo de volta. E mais, JoJo é uma história sobre a linhagem Joestar, então fazia sentido trazer um JoJo anterior para a Parte 3. Eu não hesitei nessa vez.

Isso foi cinquenta anos após a batalha ocm os Homens do Pilar. Eu havia considerado deixá-lo no meio devido a sua idade, mas eu achei que deveria fazer o que eu sabia que aconteceria enquanto a serialização prosseguia. O primeiro papel que eu dei ao Joseph foi o de "navegador." Afinal, o que seria melhor que um JoJo anterior nos introduzir a família Joestar, DIO, o Hamon, e Stands, nos levando do arco do Hamon (Partes 1 e 2) para a Parte 3? No entanto, ele é o JoJo anterior, então eu tomei cuidado para não fazê-lo parecer o protagonista. Eu queria deixar claro que Jotaro era o protagonista da Parte 3, e eu também não queria que os leitores ficassem confusos. Felizmente, essa parte se passa cinquenta anos depois dos eventos da Parte 2, então eu pude fazer umas mudanças drásticas na sua aparência sem fazer parecer desnecessário (risos).

O Stand de Joseph, Hermit Purple, é mais uma habilidade de apoio, permitindo uma projeção psíquica visual e de aura. Memso ele tendo sido um protagonista antigamente, eu não dei a ele a habilidade ofensiva típica pelos motivos que eu mencionei antes--eu queria fazer sua habilidade combinar mais com seu papel como um "navegador." Um guia precisa de "linhas" que conectam ele pelo mundo para que ele receba informações. Eu fui inspirado pelas linhas de telefone ou cabos de redes. Se ele se conectar a uma câmera, ela gera uma fotografia; se ele se conecta a uma TV, ele gera vídeo--as vinhas de seu Stand representam a "linha" ou cabo físico conectando-no a elas. Adicionalmente, a forma das vinhas também tem haver com Joseph ser um usuário do Hamon.

Uma das coisas que eu queria fazer desde o começo de JoJo era visualmente expressar habilidades sobrenaturais. O Stand é uma sucessão do Hamon, e os dois vem do mesmo conceito, então com o Joseph reaparecendo na Parte 3, eu me perguntei como visualizar o Hamon em termos de um Stand. O Hamaon é enrgia vital que se espalha pelo corpo através de métodos de respiração. As vinhas são feitas para serem uma expressão visual explícita disso--literalmente se amarrando em volta de seu corpo. Se Jotaro e o resto da equipe usuária de Stand voltasse no tempo cinquenta anos antes, talvez você pudesse ver um Joseph mais jovem usando o ermit Purple.

Q. Por que o Hermit Purple é roxo?

A. O roxo é uma cor elegante. É fácil trabalhar com personagens mais velhos. Eu decidi isso após levar em conta os Joestars e suas cores associadas. Eu achei que roxo funcionaria melhor com o Joseph em seus sessenta em vez de alguém mais novo (risos).
—Hirohiko Araki


Volume 10 (Hol Horse)

A Parte 3 tinha a estrutura de um filme de estrada, como Mito Komon. Isso é, eu teria que fazer o grupo Joestar, com Jotaro e sua equipe, sair em uma jornada, onde no caminho em vários lugares, eu os faria lutar contra usuários de Stand com diferentes habilidades. Cada um desses usuários de Stand com os quais ele teria de lutar seriam únicos, mas se eu tivesse que considerar quem eu faria aparecer e de que maneira fluiria. A obra foi feita para ter uma longa duração, então eu tomei cuidado em formular os eventos para que eles não perdessem o interesse do leitor. Esse também é o caso do Hol Horse. Eu fiz com que a aparência e habilidades de seus antecessores, Strength, Ebony Devil e Yellow Temperance não se sobrepusessem. Eu fiz o mesmo planejando as lutas--se elas seriam lutas um-contra-um ou batalhas em equipe. Tem muitas batalhas um-contra-um levando até essa parte, então eu achei que introduziria uma equipe de dois usuários de Stand nesse ponto. É por isso que eu fiz Hol Horse e J. Geil aparecerem--porque eu estava seguindo as regras que eu fiz para mim mesmo. Se eu tivesse que decidir introduzi-lo em algum outro ponto, ele talvez fosse um pistoleiro solitário que era um pouco mais baixo.

Eu havia planejado fazer Kakyoin e Polnareff trocarem suas alianças a DIO para se juntarem ao grupo, mas eu não planejei isso para o Hol Horse. No entanto, eu não acho que teria sido uma ideia tão ruim fazê-lo se juntar ao grupo. Talvez porque eu amava filmes do velho-oeste e teria isdo uma pena remover o icônico "pistoleiro fora-da-lei" do grupo em algum lugar no caminho. Eu também gostei do seu "por que ser o número um quando você pode ser o número dois", que foi para o Yoshikage Kira da Parte 4. Eu o desenhei em uma página de título colorida como se ele fosse parte do grupo, e eu o fiz aparecer várias vezes após sua primeira aparição. Entretanto, minha conclusão era que ele acabaria com o equilíbrio do grupo caso ele se juntasse a ele. Em relação ao seu personagem, tanto sua aparência quanto sua personalidade se sobreponhem com o Polnareff, e eu senti que seria difícil de uasr seu Stand Emperor como um aliado.

O Emperor é uma arma, e eu não adicionei muitos limites baseado em quantas balas ele poderia atirar ou a distância de seu disparo. Diferente do Mista da Parte 5, que era limitado a apenas seis balas, Emperor é um Stand, incluíndo a própria arma... eu achei que desde que o próprio usuário não se canse, ele podia atirar quantas balas ele quisesse, e eu continuei com isso, ficou meio fora do controle. E também, a parte de mirar e atirar em um inimigo se sobrepõem com o Emerald Splash do Kakyoin. No final, eu tomei a decisão baseado em seu personagem e habilidade para fazê-lo continuar como um inimigo. Adicionalmente, eu não fiz mais nenhum humano se juntar ao grupo depois disso. Nós tivemos o cãozinho fofo Iggy para ajudar o grupo Joestar em seu lugar. De uma perspectiva de equilíbrio, eu estava totalmente bem com isso (risos).

Q. Hol Horse parece muito o Gyro de Steel Ball Run!

A. Eles são conectados pelo fato de ambos serem foras-da-lei durões. Os dois dão aquela sensação de "velho oeste". Aumente isso um pouco mais e essa é a minha imagem do Gyro. Na época em que isso estava sendo serializado, eu talvez também tenha sido inspirado por outro pistoleiro fora-da-lei, o Cobra de Buichi Terasawa.
—Hirohiko Araki


Volume 11 (Velha Enya)

A Velha Enya é uma personagem que nasceu como a resposta da pergunta de quem ensinou a DIO sobre a existência dos Stands. Eu nomeei alguns dos Stands com cartas de tarô, e eu também tinha a vaga ideia de criar uma vidente parecida com uma bruxa. Eu também quis que uma velha assustadora fosse uma inimiga. Afinal, eu considero os filmes de terror meus professores e livros de estudo, e você não pode fazer um filme de terror sem uma velhinha assustadora! JoJo tem uma forte conexão aos filmes de terror desde que os vampiros apareceram na Parte 1, especialmente quando você olha para os inimigos. Com a Velha Enya em mente, eu acho que consegui incluir todos os clichês que você veria com velhas assustadoras em filmes de terror. Ela se esconde esperando que os protagonistas apareção, ela tem uma faca escondida, ela é antiga, mas quando é preciso, ela pode ser incrivelmente rápida (risos). É bem aterrorizante correr o mais rápido possível, mas assim que você olha para trás, uma velha assustadora está lá esperando por você.

O mesmo vale para o seu Stand, Justice. Tem vários filmes de terror que lidam com um tipo de vírus desconhecido vindo do espaço e pondo a humanidade em perigo. Essa foi a inspiração pela qual eu fiz seu Stand "infectar" a cidade, e porque eu o fiz na forma de uma "nevoa." Isso é um pouco fora do assunto, mas eu considero o monstro de Frankenstein, lobisomens, e mumias os três maiores designs no mundo do terror. Eu acho que é absolutamente fantástico imaginar como você pode desenrolar uma parte das ataduras de uma mumia e ela vai continuar indo e indo. Eu desenhei o Stand, "Hanged Man" de seu filho J. Geil, baseado numa mumia, mas eu coloquei a essência de um sereio nele também. Tanto a mãe quanto filho são cidadões do mundo do terror, por completo.

Olhando para trás agora, Enya fica chocado com todos os meus aspectos favoritos do terror, então foi fantástico desenhá-la, até durante a serialização original. Mas eu ainda não tenho certeza se ela foi uma inimiga apropriada para um mangá shonen. É bem "aventuroso" fazer uma idosa ser uma antagonista contra a qual o protagonista tem de enfrentar, afinal. As classificações também não necessariamente subiram naquela época também (risos). Não importa o quanto eu goste dela pessoalmente, não há erro em dizer que a habilidade de comunicar sua força e terror como uma personagem apesar de ser uma idosa é algo único a JoJo devido a existência de batalhas de Stand. Eu falei sobre isso no Volume 2 da Parte 2 de JoJo enquanto discutindo sobre a Lisa Lisa, mas quando a Parte 2 estava sendo serializada, eu percebi que se você colocasse elemtnos sobrenaturais a força física exterior de mulheres de crianças não importariam mais. Stands usam o conceito do Hamon e levam-no à um novo patamar de representação visual. Apesar de ser "só uma idosa," ela pode usar seu Stand para disfarçar uma cidade inteira. Tanto a aparência da Enya quanto o conceito de seu Stand tiveram um impacto nos leitores. Mais uma coisa--eu acho que ter a força mental de controlar uma cidade inteira de cadáveres se igualaria bastante com o que seria necessário para parar o tempo.

Q. Por que um Stand inimigo se chama "Justice"?

A. Eu gosto que ele te faz se perguntar o que a "justiça" realmente é. A "justiça" é uma coisa subjetiva, afinal de contas. A Enya está na capa desse volume, então eu coloquei bastante detalhe nesse desenho, incluindo as rugas no rosto dela. Seus olhos parecem mais amigáveis que o normal, mas bem...ela é a "garota da capa" desse volume (risos).
—Hirohiko Araki


Volume 12 (Noriaki Kakyoin)

Na minha cabeça, eu agrupei o quinteto que é Kakyoin, Jotaro, Joseph, Avdol e Polnareff como o "grupo Joestar." No começo, eu queria equilibrar o grupo ao ponto de suas características, personalidades, roupas e Stands eram todos únicos e não se sobrepusiam. Eu queria que suas silhuetas fossem facilmente distinguíveis quando eles estivessem de pé no deserto, mas meu editor na época me disse que porque nenhum deles tinham cabeças redondas, eles todos meio que parecem os mesmos como silhuetas (risada humorosa). Eu considero Kakyoin o sensível, respeitável e formal do grupo.

Kakyoin é o outro personagem principal japonês na Parte 3 além do Jotaro, mas eu não pensei muito sobre a sua nacionalidade. Seu nome é muito mais interessante. Eu sempre inventei o nome e sobrenome juntos. Eu peguei seu sobrenome, "Kakyoin", de uma área em Sendai, de onde eu venho. Sempre que eu ia à Estação de Sendai, eu sempre passaria por lá, então era um nome muito familiar para mim. Eu lhe dei o seguinte kanji ao seu nome: 典明. Kanjis podem serem lidos de maneiras diferentes, e enquanto isso é canonicamente lido como Noriaki, eu sempre o li como Tenmei. Você pode ver isso no registro do hotel onde ele assina seu nome (veja o último volume). Eu passei bastante tempo considerando o som e o equilíbrio dos carácteres kanji do protagonista, Jotaro Kujo, mas meu editor fez um "Noriaki" se juntar ao grupo Joestar em vez disso (risada humorosa). Eu estava bastante chocado quando eu vi isso pela primeira vez no lançamento da graphic novel, mas eu justifiquei isso como seus pais tendo o batizado de "Tenmei," mas seus amigo lhe chamavam por uma leitura diferente do mesmo kanji, "Noriaki"--uma coisa relativamente comum de se acontecer com crianças.

Eu não prestei muita atenção ao fato dele ser de nacionalidade japonesa, mas eu o fiz agir como um contraste ao Jotaro. EU o fiz ser o primeiro oponente real de Jotaro em uma batalha de Stand vs. Stand para que eu pudesse visualmente comunicar os conceitos de ambas habilidades de Stand de curto-alcance e longo-alcance ao leitor. Eu achei que fazer o Hierophant Green de Kakyoin se esticar como uma corda como tipo longo-alcance contrastaria bem com o Star Platinum, deixando fácil de entender como eles se diferenciam em ação. Eu tive várias ideias para ataques de longo-alcance, mas eu quis manter as coisas de saírem muito do controle ao fazer os Stands precisarem ficar perto de onde a ação estava acontecendo.

Eu não tive muitas chances de mostrar isso, mas o Kakyoin vai à mesma escola que o Jotaro. Enquanto eles não são super-próximos em sua jornada, eles tem uma amizade legal, e eu me pergunto o que teria acontecido caso eles não tivessem Stands em comum. Eles talvez não tenham se tornado amigos (risos). Eu tenho o sentimento de que o Kakyoin teria se dado melhor com o Josuke da Parte 4.

Q. Você já considerou fazê-lo vestir algo além de um gakuran (uniforme escolar japonês) para distingui-lo do protagonista?

A. O bem-costurado gakuran de Kakyoin lhe dá a sensação de ser um estudante honroso. Enquanto, o gakuran mais solto de Jotaro combina com ele ser um delinquente. Você pode distinguir personagens assim mesmo que eles vistam a mesma roupa. Eu acho que os acessórios que eu dei ao Jotaro também ajudaram a distingui-lo.
—Hirohiko Araki


Volume 13 (Muhammad Avdol)

Muhammad Avdol...Se eu tivesse que dizer qual papel eu estava lhe dando como um membro do grupo Joestar, ele seria o "sub-líder." Ele não apenas funciona como um anvegador trazido por Joseph, o segundo JoJo, mas dada sua determinação inabalável--que é capaz de unir um grupo tão único--e seu sentido rígido de dever, eu queria que ele fosse aquele membro do grupo no qual todo mundo podia depender. Dentro da história, ele também conseguiu apoiar a história de Joseph sobre a resurreição de DIO quando ele a conta para Jotaro. Eu também quis dá-lo um tipo de conexão ao Egito, onde DIO estava se escondendo, então eu lhe dei seu design "étnico". Quando a Parte 3 estava sendo originalmente serializada, eu, assim como os leitores em geral, tinham um grande interesse em áreas que você podia chamar de "o lugar de nascimento da civilização," então você poderia dizer que o design de Avdol foi um produto de sua época.

Eu o pus fora de comissão por um tempo enquanto o grupo estava na Índia. EU fiz isso porque eu nunca quis que os leitores se entediassem ou ficassem complacentes com os eventos acontecendo, então eu quis injetar um pouco de realidade lá fazendo alguém ser sacrificado. de vez em quando. Eu também estava apaixonado por escrever capítulos onde um aliado é perdido. Mas no final, como você sabe, eu não estava planejando fazê-lo desaparecer por muito tempo... A coisa é que, eu pensei que era meio chato fazer alguém que acabou de morrer voltar à vida imediatamente, então eu quis criar um bom motivo, assim como um lugar apropriado para reintroduzi-lo. Quando eu estou trabalhando em JoJo, eu tento não me preocupar com as pequenas coisas. No final, eu o trouxe bem antes do grupo chegar ao Egito, mas naquela época, eu não tinha planos específicos sobre quando eu o traria de volta. Eu só escrevi o que me parecia natural na época.

Olhando para trás agora, eu provavelmente deveria ter dado ao Avdol uma parte na qual ele tinha um papel mais primário na história, especialmente dado o fato de que eu o tirei de comissão por um tempo. É claro, isso foi tudo em retrospectiva após ter terminado a história. Na época em que a Parte 3 estava em serialização, talvez tivesse parecido uma grande "aventura" fazer a história focar no Avdol (risada humorosa). Se nos tivessemos uma enquete de popularidade na época, eu duvido que ele teria ficado no topo. Tudo que os leitores queriam era mais batalhas com o Jotaro. Além disso, seu Stand, Magician's Red, foi difícil de desenhar. A habilidade de controlar o fogo é bastante comum em mangás, assim como em filmes, mas no final, eles só queimam coisas e só. Se você jogar muito solto, como uma habilidade, isso pode quebrar o equilíbrio. Depois de escrever JoJo, eu acho que "fogo" e "veneno" são duas habilidades que eu estou feliz em colocar atrás de uma fechadura e uma chave.

Se eu tivesse que escrever uma porção da história centrada no Avdol, eu acho que teria sido uma história sobre sua origem com sua família--em particular, o relacionamento com seu pai. Talvez acabasse sendo uma história madura de mais para a Weekly Shonen Jump (risos).

Q. O Avdol ficou mais novo?!

A. Ele na verdade devia estar no final dos seus vinte anos. Ele é mais novo do que você esperava! Ele pode parecer mais velho que isso, mas se você perguntar a idade de alguém que esteve no exercito, sempre te surpreenderá o quão jovem eles são, não é? A experiência dá uma aparência madura aos homens.
—Hirohiko Araki


Volume 14 (Daniel J. D'Arby)

Dada a evolução do Hamon para Stands que veio com JoJo entrando na Parte 3, eu quis incluir batalhas que não se resumiam em pancadaria. Eu mencionei isso na retrospectiva do Hol Horse, mas eu quis manter os confrontos entre o grupo Joestar e os capangas de DIO frescos ao ficar trocando entre essas batalhas um contra um e batalhas de equipe, e como parte disso, eu precisei adicionar uma variação às próprias habilidades de Stand também. Eu fiz uma "batalha de apostas" em Cool Shock B.T., mas eu quis tentar fazer de novo de maneira diferente como uma batalha de Stand. D'Arby veio do meu desejo de fazer isso.

Eu vejo apostar como algo onde você aposta sua própria alma e orgulho como parte do processo. Para mim, o dinheiro e fichas que você usa em um casino de verdade são só representações da sua alma. Então eu senti que seria natural fazer o D'Arby pegar as almas de seus oponentes assim que eles perderem. Bem, o fato de que eu posso retratar isso da maneira que eu fiz foi tudo graças ao conceito de Stands (risos). Até onde as apostas importam, você só pode vencer ou perder--não tem nada entre isso. Com D'Arby como o único desafiante, eu quis dá-lo a força mental e perspicácia estratégica para dar dificuldades ao Jotaro, assim como poder causar um pouco de medo.

Eu fiz o D'Arby enfrentar o grupo Joestar de maneiras diferentes. Eu gosto de inventar ideias para apostas porque você pode transformar quase qualquer coisa em uma aposta. Apostas envolvendo animais são particularmente interessantes para mim. É difícil prever o que eles farão, então funciona como uma aposta. Eu gosto de situações onde não parece possível trapacear, mas talvez elas sejam de algum jeito. Também é importante que a aposta pareça combinar com JoJo. Pôquer é bastante popular, então eu presumo que muitos de vocês tenham jogado antes, mas o ponto principal para vencer é aperfeiçoar o "blefe." Não é bem um jeito garantido de vencer a batalha, e mais uma batalha de astúcia entre você e seu oponente, testando o quanto você pode enganá-los com apenas o tamanho dos seus colhões, então eu acho que foi apropriado para o confronto final entre Jotaro e D'Arby. Eu realmente gostei de desenhar a batalha do D'Arby, então eu introduzi seu irmão mais novo, Telence, antes da batalha final contra o DIO. Eu não queria dar aos leitores mais uma partida de pôquer, então eu fiz com que eles jogassem vídeo-games em vez disso. Vídeo-games tem todos os tipos de gêneros, como baseball ou corrida, então eu tive várias ideias com as quais brincar, assim como com o tema de apostas.

Olhando para trás agora, eu acho que introduzir os irmãos D'Arby e os irmãos Oingo Boingo na Parte 3 separou JoJo dos outros mangás, porque isso permitiu com que eu adicionasse tudo isso de variação nas batalhas. A batalha de apostas do Jotaro e o D'Arby levou à batalha de dados do Josuke e do Rohan na Parte 4, e em JoJolion, que está sendo serializado agora, a batalha de beosuro de Josuke e Jobin. Batalhas em JoJo podem ser tanto pancadaria quanto batalhas de astúcia. Eu acho que a batalha do D'Arby tenha sido o ponto inicial disso.

Q. Quem foi transformado em fichas de alma?!

A. Polnareff, Joseph, Kakyoin e Avdol. Só desenhar duas não pareceu o suficiente, e não faria sentido desenhar personagens que não tinham a haver com essa parte da história, então eu adicionei Kakyoin e Avdol aqui como um bônus especial. Olhand oara esses, você pode facilmente imaginar uma história onde Jotaro salva todos eles.
—Hirohiko Araki


Volume 15 (Iggy)

Eun unca quis colocar restrições no que eu posso desenhar em JoJo. Se estamos falando sobre algo biológico ou tendo haver com física, eu gosto de pegar todos os tipos de coisas e retratá-las na página. É por isso que tem animais aparecendo na história, assim como se juntando ao grupo Joestar. Enquanto eu estava trabalhando na Parte 3, eu quis adicionar um animal como bicho de estimação. Então, eu escolhi um cachorro para acompanhá-los em sua jornada. Para mim, cães simbolizam lealdade e amizade. Vocês amantes de gatos por aí devem estar se perguntando por que eu não escolhi um gato, mas eu sinto que um gato teria lhes traído em algum ponto (risada humorosa). Eles podem ser um amigo de brincadeiras para você, mas eles não são seus amigos. Eu sempre acabei pondo gatos no lado dos inimigos, como quando o D'Arby mais velho os usou para trapaceaar o que pode dizer algo sobre como eu os vejo.

Assim como com Polnareff e Kakyoin, eu não planejei originalmente que Iggy se juntasse ao grupo Joestar. Eu também não dei um Stand ou carta de tarô a ele inicialmente. Eu sinto que o The Fool é perfeito para o Iggy, mas na época, era a última carta que eu tinha fora o The World. Além disso, eu estava considerando fazer o The Fool ser um inimigo em vez disso. As coisas meio que acabaram funcionando do jeito que funcionou, mas dado o quanto eu amo o design do The Fool, é meio louco que ele acabou sendo o único restante para mim dar.

Quando eu crio Stand, eu muitas vezes tiro inspiração de artefatos como roupas, máscaras, e bonecos de povos indígenas. Assim que eu fundo esse aspecto com algo biológico ou mecânico, ele dá num design realmente único. Originalmente, eu imaginei os Stands como sendo algo inorgânico dado poder pela força vital, então faz sentido que muitos de seus designs são fusões entre seres vivos e máquinas. O design to The Fool começa como um cão, e então adiciona uma máscara nativo-americana e os pneus de um carro. Eu acho que o The Fool realmente representa meu design ideal para um Stand.

Eu realmente gosto de olhar enciclopédias animais e livros de referência, mas Iggy foi o rpimeiro animal que eu coloquei em um papel principal em um mangá. Foi a primeira vez que eu fiz uma batalha também, então eu usei o Ginga: Nagareboshi Gin do sensei Yoshihiro Takahashi de referência. O quanto mais eu desenhava o Iggy, mais eu me encontrava me tornando um amante de cães. Eu realmente pensei em pegar um Boston terrier, a raça do Iggy, mas eu desisti, já que dado meu trabalho, seria difícil cuidar de um cachorro. Mas se eu tivesse que pegar um, eu acho que eu realmente adoraria jogar frisbee com ele. Eu acho que não pegaria um chihuaha ou um poodle então, já que eles não parecem que gostariam de brincar disso comigo (risos).

Q. Pneus são a parte inferior do The Fool. O que inspirou isso?

A. Carro de corrida da Fórmula Um. A Shonen Jump estava patrocinando um time de Fórmula Um quando isso estava sendo serializado. Eu os via muito na revista. Não é como se o The Fool fosse um Stand super veloz, mas era relevante na época, então eu coloquei ali.
—Hirohiko Araki


Volume 16 (Jean Pierre Polnareff)

Se você me perguntasse qual personagem mais cresceu na jornada para derrotar DIO, o primeiro que vem à mente é o Polnareff. Ele começou como um lobo solitário que só estava lá para vingar sua irmã caçula e evoluiu para uma companhia de verdade que apoiou o grupo Joestar até o final. Foi divertido vê-lo crescer até o Egito enquanto ele batalhava com Stands inimigos. Suas frases tendem a se destacar, por bem ou por mal, então eu tenho certeza que muitos dos leitores sentiram como se ele fosse um dos personagens mais prominentes. Entretanto, o protagonista ainda é o Jotaro, com Joseph servindo como o navegador. Para que eles não se sobreponham, eu dei a ele uma aparência e personalidade distinta, que por contraste permitiu com que ele brilhasse sozinho. Ele poderia cobrir o que os próprios Joestars não podiam...que poderia ser o porquê de eu ter dado um tratamento espcial a ele (risada humorosa).

Por exemplo, quando ele está com Jotaro ou Joseph, eu poderia fazê-lo dizer tanto frases bobas quanto frases sérias, tornando ele um personagem muito versátil de se usar. De problemas relacionados a banheiros a armadilhas postas por Stands inimigos, Polnareff é o primeiro do grupo a encará-los. Não seria tão divertido se fosse o quieto Jotaro no seu lugar. Como tal, naturalmente, Polnareff precisou fazer mais aparições. Polnareff é direto e um pouco de um idiota comparado ao Kakyoin ou o Avdol, o que permite com que ele acabe em todos os tipos de peripécias. Como tal, ele talvez tenha uma vantagem em relação a quanto ele apareceu na obra. E também, da minha perspectiva como um artista, ele também tinha de longe a silhueta mais memóravel dentre os bonzinhos. Eu usei modelos estrangeiras como referências para o seu cabelo. Eu meio que desenhei como o cabelo do Stroheim da Parte 2, só que para cima.

Mais aparições na história significa mais lutas para se participar. Devo, J. Geil, Alessi, Vanilla Ice..ele acabou lutando muitos dos capangas de DIO, todos com habilidades muito diferentes. Quando isso estava sendo serializado, eu sempre estava escrevendo essas lutas com a intenção de que o Polnareff poderia perder e encarar a morte à qualquer momento. Como no filme Sete Homens e um Destino, eu queria que o leitor nunca soubesse quem sobreviveria até o fim--para passar pela emoção de vidas estarem em risco--e eu acho que suas lutas definitivamente tinham isso nelas. Eu acho que é porque ele passou por tantas situações de vida-ou-morte que eu sinto que ele cresceu mais durante o caminho. Por final, para a origem por trás de seu nome, Jean P. Polnareff: meus três franceses favoritos são os atores Alain Delon e Jean-Paul Belmondo, e o músico Michel Polnareff, então naturalmente, eu me inspirei em seus nomes. O personagem é francês, então naturalmente, seu nome teria de ser Jean. P.! Agora também tem o chocolateiro famoso, Jean-Paul Hévin, então eu penso o mesmo, até agora.

Q. Ele não tem um casaco normalmente. Por que ele tem um agora?

A. Eu imaginei ele como um super-modelo ou uma estrela do rock. Sua roupa original era bem simples, e bem, ele vai estar na capa então porque não vesti-lo para isso? E também, o motivo do Silver Chariot ser roxo é porque é coordenado com a roupa do Polnareff.
—Hirohiko Araki


Volume 17 (DIO)

DIO—o arqui-inimigo da família Joestar. Dado que eu estava trazendo de volta um personagem que esteve no fundo do mar por um século, naturalmente ele teria de ter mudado duranteo tempo em que ele estava lá embaixo—sua malícia crescendo ainda mais. Eu queria fazer o DIO parecer um chefão final, e dado que os leitores estavam realmente esperando por sua reintrodução, para não desapontá-los, eu não apenas pensei bastante sobre sua aparição, mas também sua mente e processo de pensamento como bem—em particular, como DIO veria seu relacionamento com a família Joestar e o destino que eles compartilharam como umae volução do que ela foi na Parte 1.

Qual é o destino que DIO tem de encarar? Não é um confronto com Jotaro, o descendente de Jonathan. É algo invisível para o olho que jaz atrás de sua linhagem. É o que dá aos Joestars e seus aliados, o Hamon, Stands, e sua estranha sorte... é o que eu defini como o "destino" dos Joestars, e em vez disso, o que DIO é destinado a fazer é esmagar isso e ultrapassá-lo. Como tal, ele não vê o próprio Jotaro como seu arqui-inimigo—em vez, DIO só o vê como um obstáculo para ultrapassar para cumprir seu destino após seu sono de cem anos. No final, DIO não conseguiu conquistar seu objetivo, mas é divertido imaginar como seria se ele conseguisse derrotar Jotaro. Eu tenho certeza de que ele teria derrotado qualquer um que ele pensaria ter o potencial de desafiar sua posição no topo da cadeia alimentar. Mesmo depois de derrotar Jotaro, talvez outra pessoa herdaria sua vontade. Afinal, DIO já havia passado por isso antes. No entanto, DIO é mais do tipo reacionário, então ele provavelmente teria continuado a ficar no Egito e esperado que suas presas viessem até ele.

Eu estivesse trabalhando com o personagem de DIO desde a Parte 1, então eu muitas vezes me colocaria no seu lugar e me imaginaria como um vampiro. Aqueles que usam a máscara de pedra tem de tomar as vidas de outros para continuarem vivendo. Durante a parte em que DIO está perseguindo Joseph e Kakyoin, eu escrevi uma cena onde ele usa um momento para se maravilhar com a existência de carros. Deveria-se ser um vampiro imortal para passar por algo assim, então eu me encontrei me sentindo com um pouco de inveja dele. Se você dormir o suficiente, por exemplo, você veria um pais instantaneamente mudar de uma monarquia para uma sociedade democrática—experiências que a pessoa média nunca teria. Desde que você tenha humanos para se alimentar e você se mantenha em uma boa saúde, eu acho que seria bem divertido. Será que vampiros ficam doentes pra começo de conversa? (risos)

Falando no DIO, eu nunca esquecerei como meu editor repentinamente acabou no hospital bem quando DIO e Jotaro estavam no meio de sua batalha final. Eu me lembro de ter entrado em pânico porque a Parte 3 estava rapidamente se aproximando de seu final, e não era como se eu pudesse parar e esperar por ele! Ele sempre me daria conselhos realmente bons e específicos em coisas como designs de Stands. "Esse é muito parecido com algo que você já fez, então tente diferenciar suas silhuetas um pouco mais." Foi duro trabalhar sem ele. O que é? Se ele deu dicas para o design do The World de DIO? Hmm... Não tenho certeza sobre essa (risada irônico).

Q. Você já desenhou o DIO pelado para a Parte 1. Por que fez de novo?

A. Faz ele parecer mais um deus grego ou romano. Nas Partes 1 até a 3, além de DIO, há outros exemplos de mim desenhando outros personagens assim, como os Homens do Pilar. No entanto eu parei de fazer tanto depois de ter mudado o ambiente para ser mais perto de casa da Parte 4 para frente.
—Hirohiko Araki


Referências

Navegação do Site

Other languages: